Cubo Mágico

aqui tinha artes, teatro, cultura digital e crônicas contemporâneas

Minha alma sobrevive à ameaça tomada pela mais sublime graça

with 5 comments

É digna de memória a música-poema declamada por Gero Camilo no capítulo final de Som e Fúria, a minissérie sobre teatro da Globo. Ele disse que nunca faria novela (ou papéis que aprofundassem as diferenças sociais brasileiras – exatamente como o vigia nordestino, pobre e excluído da série), e deve ter aceitado esse papel só por causa dessa cena. Diria que é a única que vale a pena na série toda.

Assista a partir de 4’40”:

E leia a íntegra, com várias ironias deliciosas nas entrelinhas:

outro dia, andando pelo centro da cidade, eu resolvi me dar um presente: sonetos de Shakespeare.

parece uma atitude boa dar-se tais presentes, se eu não tivesse de ter gasto meus últimos tostões, meus últimos tostões, meus últimos, aqueles destinados ao aluguel da casa em troca dos sonetos de Shakespeare.

eu parei em frente a uma livraria e, como um cachorro que só sabe do tempo que anda com o olhar no frango que gira, como o cachorro que sabe da gravidade pela baba que desce da boca, fiquei horas seguidas ali babando sobre a vidraça, que não permitia que minhas mãos tocassem os sonetos de Shakespeare.

o comerciante de livros aproximou-se com um sorriso fosco, perguntei quanto custaria para que os sonetos fossem meus. ele então sorriu, menos fosco e mais vil, e disse-me: ‘custa tanto’. o tanto que ele disse era pouco, nem sabia, até porque ele vendia Shakespeare, pense, junto com culinária e magia. mas as minhas mãos queriam tocar os sonetos de Shakespeare

cavei o bolso e, cédula a cédula, moeda a moeda, deu justo pra pagar e voltar pra casa, nada mais.

esta noite eu sou um homem sem garantia de que amanhã eu terei casa porque eu não paguei o aluguel. quanto à minha alma, ela sobrevive a essa ameaça, tomada pela mais sublime graça em habitar os sonetos de Shakespeare.

Written by Lucas Pretti

agosto 3, 2009 às 21:41

5 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. há tempos n via uma produção para televisão tão boa quanto Som e Fúria…

    Givoleinesom

    agosto 3, 2009 at 22:18

  2. Eu o vi declamando essa música-poema no Sesc Consolação, em um show do Rubi, achei maravilhosa…dias depois eu vi que estava na minissérie som e fúria…foi realmente a melhor cena da série, linda…aliás, o Gero é espetacular…

    bjos!!

    Bruna

    agosto 4, 2009 at 14:12

  3. Acho que a série toda vale muito a pena…

    M

    agosto 13, 2009 at 12:30

  4. Amáveis e Amargos
    Sonetos de Shakespeare!

    Vivi

    outubro 22, 2009 at 16:23

  5. a única cena? em vista das produções globais som e fúria abordou de uma forma muito interessante o teatro brasileiro, prova é o resgate do Felipe Camargo, que esteve escondido durante um tempo e abrilhantou a série com seu talento, até então desconhecido por mim.
    mas não se pode cobrar que os olhos sintam o que faz pulsar o coração.. há de ser coisa minha, só pode.

    Matheus Nasca

    novembro 6, 2009 at 20:54


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: