Cubo Mágico

aqui tinha artes, teatro, cultura digital e crônicas contemporâneas

Archive for the ‘Cinema’ Category

luzes, texturas, fotografias e afins

with 4 comments

Mataram a pau as fotos do Zé Luiz Sampaio no dia da transmissão de Por Conta da Casa.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Assim como a direção de fotografia do Kao:

Por Conta da Casa

Por Conta da Casa

Por Conta da Casa

Por Conta da Casa

Por Conta da Casa

cinema ao vivo

with 5 comments

Fiquei meio frustrado a primeira vez que ouvi falar do Cinema Vivo, na semana passada, porque não os conheci a tempo de divulgar o projeto na matéria sobre teatro digital que publiquei outro dia no Estadão. Mas tudo bem, uma pena, mas foda-se. Pouca gente deve ter lido mesmo. O projeto é tão legal que torço para não precisar da babação da grande imprensa.

A ideia é parecida com a do Teatro Para Alguém, mas voltada para o cinema. Eles vão fazer um filme ao vivo, o Fluidos. As pessoas sentam na sala de cinema, as projeções começam, com cortes, edição, efeitos sonoros etc., mas tudo ao vivo. Os atores estarão em três ou quatro locações ao redor do CCSP e as imagens serão transmitidas pela internet. O que é isso se não teatro ao vivo, como a gente faz, mas com outras regrinhas? Muito boa ideia. Contemporânea. Dialoga com o cerne do teatro digital que discuti na matéria e engrossa o coro de artistas ligados a tecnologia, explorando limites, possibilidades.

cartaz de 'Fluidos'

Certamente fazer um filme ao vivo (ou uma peça, como nós no TPA) não é o mais longe que pode chegar o efeito da internet nas artes performáticas e audiovisuais. Mal é um primeiro passo. São os artistas entendendo o que têm nas mãos. Para daí sim ultrapassar a barreira do suporte/formato para chegar à alguma maturidade de linguagem.

O site dos caras – www.cinevivo.com.br – é um blog. Dá pra acompanhar um pouco do processo de criação por lá. Direção de Alexandre Carvalho.

A exibições ao vivo serão nos diaas 16, 24 e 30 de maio, lá no CCSP, às 14h. Bilheteria abre uma hora antes (a velha mania de não vender a porra dos ingressos pela internet. Quando Sesc e CCSP vão acordar pra isso?).

Vai ser legal.

Written by Lucas Pretti

abril 26, 2009 at 17:39

por favor diga alguma coisa

leave a comment »

Porra. Lindo o curta de animação Please Say Something, de David O’Reilly, que ganhou o Urso de Ouro em Berlim neste ano. Foi o primeiro filme para web a ser premiado lá. Uma gata e um ratinho fazem um casal que não se ouve, em que cada um vive na sua solidão contemporânea — diversa (de diversidade), egoísta e carente. Porra.

Written by Lucas Pretti

abril 23, 2009 at 22:15

Dois curtas

leave a comment »

Ainda em Curitiba (fui ao festival de teatro lá), assisti O Amante de Lady Chatterley, de D.H. Lawrence, em cartaz há séculos em SP mas que ainda não tinha conseguido ver. Fiquei impressionado com o elenco, que salva a montagem um tanto burguesa e divercionista de Rubens Ewald Filho (só um comentário, a peça tem méritos). Mas o que me chamou a atenção foi a atriz Ana Carolina Lima. Além de linda, o que neste caso era importante para o papel, consegue variar de estado geral, situação e trazer verdade para sensações e sentimentos absurdos para uma mulher brasileira de hoje. Grande trabalho.

Formada pelo Indac em 2001, ela foi premiada em 2008 no Festival de Paulínia pelo curta-metragem Espalhadas pelo Ar, de Vera Egito. Olha que saboroso o enredo: meninas fumam escondidas na escada do prédio, só de lingerie, porque tiram as roupas para não deixar rastro. Uma moradora mais velha (Ana Carolina) flagra as meninas. Assista:

Espalhadas pelo Ar

Falando em curta, um amigo meu, o Pirajuí (Marcelo Daniel), faz uma pontinha no filme Condomínio. Na verdade o cara é um videomaker, faz uma porrada de “zines” trash em vídeo. É engraçado. Acreditem: a cara dele é a mesma de sempre, hehe. É o de camisa branca aí embaixo. Assista:

o maior cinema do mundo

leave a comment »

Cartazes da filmes na Nigéria

Já ouviu falar em Nollywood? É a indústria tosca de cinema nigeriano que – ouça bem – é a maior do mundo em número de títulos produzidos. Puta história. Não sei como o Lino descobriu isso, só sei que cruzei com ele na Alemanha antes do cara ir pra Lagos, no ano passado. O resultado saiu na Trip deste mês.

http://revistatrip.uol.com.br/173/especial_diversidade/nollywood/home.htm

Dá pra ver alguns no YouTube, como Excess Money, abaixo:

O resto aqui.

Written by Lucas Pretti

janeiro 14, 2009 at 21:18

Publicado em Arte, Cinema

Tagged with , , , ,

Imersão sem igual

with 9 comments

Tá. Eu vou fazer propaganda mesmo porque eu nunca tive uma experiência de imersão tão forte, tão intensa, viva e nova como a do Imax hoje. Fui à pré-estreia da nova sala de cinema do Unibanco Pompeia e saí de lá absolutamente embasbacado, encantado, bobo, criança, epifaniado. E olhe que acabei de fazer uma reportagem sobre o futuro do cinema, que aposta em tecnologia, 3D, downloads, etc. Falamos do Imax, anunciamos que a coisa estava para chegar. Em tese eu já sabia o que aconteceria. Mas fui surpreendido, felizmente.

No Imax Pompeia

o óculos invocado

O Imax é uma sala de cinema diferente, 3D, com uma tela gigantesca (14m por 21m). A película é maior e as condições de exibição são todas especiais, com projetor deles, óculos invocado, sala com x metros de altura, x cadeiras no mínimo. Até a gravação do vídeo tem de ser feita com câmeras próprias do Imax. O resultado é que simplesmente você não assiste a um filme, você ESTÁ no filme.

Eu não sou de me empolgar com as coisas. Juro. É uma das coisas mais brilhantes de que já participei. Me senti como os humanos de 1895 diante do trem quase saindo tela dos Lumière. Veja uma foto de divulgação. Dá pra ter ideia do que acontece.

É a primeira sala assim do Brasil, o q nos lembra a dura realidade: estamos 40 anos atrasados. A primeira sala Imax do mundo abriu em 1970. Quando estive em Berlim no ano passado, até poderia ter ido assistir a Viagem ao Centro da Terra lá no Sony Center. Olhe a foto embaixo. Me arrependi.

Imax Berlim

Imax em Berlim

A sala de SP entra em circuito comercial na sexta-feira, acho. O ingresso custará R$ 30, parece. Não é uma coisa para ir todo dia, claro. O filme por enquanto é um documentário sobre a vida no fundo do mar, com imagens impressionantes, belíssimas, assustadoras, entorpecentes, reais. Mais pro meio do ano devem rolar lançamentos blockbusters, principalmente animações.

Na verdade o Imax tem dois defeitinhos chatos. Só rolam filmes dublados (como fazer legendas em 3D?) e não dá pra negar que, no fim do filme, a gente se sente meio vesgo e com uma dorziiiiinha de cabeça. Mas nada comparado àqueles óculos vermelhos e azuis trashs da década de 90.

Meu, vá ver o Imax. Vá ver.

Written by Lucas Pretti

janeiro 14, 2009 at 3:24

métodos

with 2 comments

A matéria na Piauí sobre a ‘preparação de atores’ da Fátima Toledo: http://www.revistapiaui.com.br/edicao_28/artigo_866/Como_nao_ser_ator.aspx

E o comentário do Bortolotto no blog:

Na edição da Revista Piauí desse mês saiu uma matéria sobre a Fátima Toledo assinada pelo meu amigo Emilio Fraia. Tem lá um depoimento meu na matéria. Eu falo o que penso a respeito do método dessa senhora e quem lê esse blog, sabe o que penso. Na matéria, os diretores Sérgio Machado e Karin Aïnouz dizem o quanto são dependentes do método dela e afirmam que quando um ator diz que não aceita o método, eles já despacham o ator e pegam outro. Du caralho. Acho bastante coerente essa atitude deles. Assim como acho coerente o ator que não concordar com o método dessa senhora, cair fora antes do diretor mandar. Jamais trabalharia com essa mulher ou com qualquer diretor que seguir o método dela. Acho que o Sérgio Machado, o Karin ou outro qualquer desses pode muito bem passar sem mim (eles realmente não precisam de mim – ator bom é que não falta por aí), mas em contrapartida eu também não preciso deles. Mas de jeito nenhum. Método de cu é rola.

É aqui que ela ganha dinheiro: http://www.studiofatimatoledo.com.br/. Tenho umas histórias de gente que pirou fazendo o curso dela. Pirou mesmo, saiu caçando borboletas por aí. Sério. Por outro lado, os resultados são indiscutivelmente bons — digo principalmente por O Céu de Suely, um dos melhores filmes que já vi.

Não tenho nada contra nem a favor. Só acho ruim a idolatria, seja pelo Antunes, pelo Barba, pelo Bortolotto, pelo Zé Celso, pela Fátima.

Written by Lucas Pretti

janeiro 13, 2009 at 3:54