Cubo Mágico

aqui tinha artes, teatro, cultura digital e crônicas contemporâneas

Zoológico, Rosa e outras coisas

with one comment

Já ouvi dizer que SP tem uma média de 650 espetáculos teatrais encenados por ano. Uma matéria até recente da Beth Néspoli no Caderno2 traz um número tb, prometo procurar e atualizar isso aqui. Estou dizendo isso para questionar e pensar sobre o critério usado por guias e cadernos de cultura para indicar espetáculos, sejam os veículos independentes ou empresas de comunicação. Quando um é mais importante que o outro?

Foi pensando nisso que eu vi a lista do UOL. Só o fato de um portal falar de teatro já é muito louvável, é mais chance de as pessoas lerem sobre isso. Aí é que está justamente o problema: ler o quê? São 17 as indicações do UOL. Veja neste link. Não quero julgar o mérito das peças, mas o que explica O Zoológico de Vidro estar de fora, por exemplo? É a volta da Cássia Kiss aos palcos de SP com um texto foda do Tennessee Williams, dirigida por Ulisses Cruz no Sesc Anchieta (um palco bem foda). Dá pra dizer que o leitor do UOL foi mal informado.

3 peças para ver em janeiro

Cenas de 'O Zoológico de Vidro' (divulgação), 'Calígula' (Lenise Pinheiro) e 'Entre Divas e Senhoritas' (divulgação)

Falando em O Zoológico…, vale a pena principalmente para quem viu Rosa de Vidro no ano passado, que passou pelos Satyros e pelo CCSP. Foi uma delicada e sensibilíssima direção do Ruy Cortez para o mesmo texto do Tennessee e deu visibilidade a uma atriz que promete, a Júlia Bobrow. Depois da peça ela já foi convidada para Liz, também dos Satyros, e para a minissérie Além do Horizonte, que o Rodolfo García Vazquez dirigiu para a Cultura.

É uma delícia comparar montagens do mesmo texto. Não pelo julgamento, claro, isso é o de menos. É bacana identificar propostas artísticas diferentes, recortes, opções e intenções dos atores na interpretação, da direção, caminhos diferentes tomados por cada montagem. Às vezes detalhezinhos podem dar outro entendimento de determinada fala, gesto, e tocar o espectador que, em tese, já sabia o que aconteceria. Essa é a graça de remontar clássicos e de adaptá-los a situações de hoje (não é o caso de O Zoológico, mas, por exemplo, de Os Bandidos, no Oficina, e do Hamlet do Wagner Moura).

Falando nisso, ele reestreia no dia 16. Outras peças imperdíveis para janeiro são Calígula (ainda não vi), Navalha na Carne e Rainha[(s)].

Estou falando de tudo isso porque hoje, sexta-feira, é oficialmente a volta do calendário teatral paulistano, quando muita coisa estreia e reestreia. Mais duas coisas: 1) uma forcinha pra amiga de uma amiga, a Priscila Nicolielo, novíssima dramaturga que terá um texto encenado no CCSP a partir de hoje, o Entre Divas e Senhoritas. E, 2), quem anda de metrô viu anúncios da nova peça de Eri Johnson, Eri Pinta e Johson Borda, sobre a “trajetória” dele mesmo. Tire o ego da história. O que sobra no espetáculo?

Tá. Ficou puto com minha ironia sobre o teatro caça-níquel? Então mais uma indicação, meio velha mas que vale a pena ser lida: o texto do Marcelo Médici questionando o que de fato é o tal teatro comercial e denunciando a corrupção nos editais para financiar peças de teatro. Aqui.

Anúncios

Written by Lucas Pretti

janeiro 9, 2009 às 3:31

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] Ir aos comentários Eu critiquei o UOL na semana passada por excluir O Zoológico de Vidro de uma lista das principais estreias do […]

    redenção « Cubo Mágico

    janeiro 14, 2009 at 13:05


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: