Cubo Mágico

aqui tinha artes, teatro, cultura digital e crônicas contemporâneas

O não-caber no mundo move e se cumpre, ocupando tudo

leave a comment »

Andando a esmo pela internet, trombei com um poema de Joca Reiners Terron. Ele é um escritor e poeta contemporâneo que simples e vergonhosamente desconhecia. Veja este poema lindamente boêmio:

No centro

Um bar diante do cu de bronze
do cavalo do Duque de Caxias,
que, à guisa de enigma, fica
na praça princesa Isabel:
isto me faz sentir tão inadequado
quanto o brônzeo ânus desse
quadrúpede, afinal que faço
num boteco no centro da
cidade, alvejado por perdigotos
discursados pelos beatniquins?
No entanto o não-caber no mundo
move e se cumpre, ocupando
tudo: eu, cascos de cerveja, o Ceará-
dono-do-bar e até mesmo o cu
eqüino, buraco negro e cego
como uma galáxia prestes
a nos engolir sobremaneira.
E entre mugidos ou seja lá que
impropérios assoprem cus de
estátuas eqüestres, nos dissolvemos,
Caxias, princesa Isabel, praças,
bêbados, vosmecês e eu:
sob o vasto merdaçal de pombas
sob a penumbra onde já não vejo gestos
sob asas que não deixam rastros nem sombras
sob a mira da gigantesca merda de bronze
que certamente uma hora soltará o cu desse cavalo.

texto daqui, foto daqui

Anúncios

Written by Lucas Pretti

junho 25, 2008 às 18:17

Publicado em Arte, Epifania, Livros, Urbanidades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: