Cubo Mágico

aqui tinha artes, teatro, cultura digital e crônicas contemporâneas

Tudo acaba, leitor; é um truísmo

leave a comment »

Dia dos Namorados é uma data imposta, comercial, que passa uma idéia de família católica e tudo o mais que o discurso coerente dos libertários dá conta muito melhor do que eu. Concordo com eles. Mas é inevitável parar para um balanço sentimental no dia 12 de junho. Por isso, impossível não recomendar um texto da revista Trip deste mês, assinado pelo escritor, dramaturgo e ator Mário Bortolotto, que mantém o blog Atire no Dramaturgo.

O pessoal da editora convidou o Mário para fazer como no filme Flores Partidas: procurar e rever antigas mulheres/namoradas com o intuito de descobrir o porquê de as relações acabarem. Idéia linda, executada mais lindamente ainda. O texto de Mário é informal, precioso, poético e cético nos momentos certos.

Ao contrário do personagem do filme, ele escolheu presentear as antigas companheiras com CDs. Daí o título do texto “Faixas riscadas”.

Veja dois trechos perturbadores:

Acho que, por mais que tenha tentado obstinadamente me relacionar bem com alguém, tenho mesmo esse jeito que muitas mulheres me esfregaram na cara entre impropérios e pratos arremessados pela cozinha: “Você quer ficar casado e levar vida de solteiro”. Quando elas dizem isso não estão se referindo exatamente a traições nem a festas infindáveis com mulheres das mais variadas etnias. Apenas a porres homéricos e intermináveis madrugadas adentro, uma solidão devastadora e uma falta de companheirismo alardeado por elas ad nauseam.

Então, sentado mortificadamente sozinho lá no chão da kitchenette ouvindo Furry Lewis, fiquei pensando que seria uma oportunidade não exatamente para acertar contas com o passado (acho isso solene demais), mas talvez resgatar velhas baladas para um iPod de última geração. E deixar as faixas riscadas tocarem, simplesmente porque, debaixo de todo o ruído, ainda é possível ouvir a canção.

Link direto aqui.

É um tanto egotrip, claro. Mas o que é a vida se não o cruzamento de viagens individualistas que, vez ou outra, dá num negócio entorpecente delicioso que chamamos de amor?

[Post relacionado: Livro antes]

Anúncios

Written by Lucas Pretti

junho 12, 2008 às 20:29

Publicado em Achados, Epifania, Família

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: