Cubo Mágico

aqui tinha artes, teatro, cultura digital e crônicas contemporâneas

Caldé e a cidade dentro de cada um

with 2 comments

Você certamente não sabe, mas mora em uma cidade chamada Caldé. É a cidade por trás da cidade em que você mora. Como a filosofia, que dá base para as ciências, todos os vilarejos, povoados e metrópoles estão construídos em cima de Caldé. Só há um grande problema. Caldé não foi descoberta.

Na verdade foi. Pelos poucos que já assistiram à montagem Caldé e os Peixes que Aprenderam a Nadar no Ar, com o grupo Tubos de Ensaio dirigido por Marcelo Lazzaratto. Digo poucos, mas sou inexato. O Teatro Célia Helena lotou em todos os dias da primeira temporada, em março. O espetáculo era gratuito e servia como formatura do curso profissionalizante de Interpretação Dramática. O grupo e a faculdade de atores decidiram arriscar uma segunda temporada, profissional, comercial, cuja (re)estréia foi neste sábado, 10. Depois de aclamados, os artistas agora sentem na prática o discurso de como é difícil fazer arte sem apoio de ninguém.


[Mais fotos aqui]

Assisti pela segunda vez à peça neste domingo, num teatro quase vazio, a não ser pelos 15 ou 20 conhecidos do elenco com seus acompanhantes. Quatro atores foram substituídos e o espetáculo ficou melhor ainda, um dos mais tocantes, líricos e transformadores em que já estive. Saí de lá com a certeza de que, como encarecidamente os atores pediram, é preciso divulgar a peça, vencer pelo boca-a-boca a mídia repetitiva e fechada aos não-famosos. Simplesmente porque todos (você também) precisam ver Caldé.

O espetáculo é riquíssimo. Trata de um povoado isolado numa montanha qualquer que sabe ter seu fim próximo, já que uma movimentação tectônica ameaça a cidade, que será alagada a qualquer momento. A partir da noção do fim, cada personagem se transforma. Difícil explicá-los porque as nuances são infinitas. A recatada vendedora de flores resolve dizer as verdade nunca ditas. O assessor puxa-saco e cheio de tiques e manias resolve abandoná-las; percebe que consegue viver sem elas. O cientista cientificista ouve os conselhos, pára de questionar Deus, e cancela as mesquinharias que distribuía por aí. O mais realista de todos é a quem ninguém dá ouvidos: o retardado, garoto com doença mental. Diante da iminência de Caldé submergir, ele quer apenas aprender a respirar embaixo d’água.

A relação entre os personagens é muito bem construída pelo grupo, sob supervisão de Lazzaratto (também escrevi sobre ele aqui). Foram os atores coletivamente que criaram Caldé, com base nas obras de Dario Fo, Fellini e Modigliani. Isso dá ainda mais qualidade ao espetáculo, com momentos técnicos fabulosos. Os atores congelam as cenas para dar ênfase à determinada fala, estão milimetricamente integrados quando há movimentos conjuntos e a fé cênica é tão presente que nos sentimos realmente em Caldé.

Bem, na verdade estamos. Ou você nunca resolveu acreditar numa mentirinha para viver melhor? Não reparou que a herança que deixamos não são só bens materiais? Ou que, mesmo após uma catástrofe na vida, tudo se ajeita, o fluxo continua, as coisas não mudam tanto assim?

Descubra Caldé. Porque Caldé está dentro de você.

Sábados (20h30) e domingos (18h), no Teatro Célia Helena (mapa) (3209.0470)
$ 20 / $10 (estudantes, professores e idosos)
Até dia 1 de junho

Elenco: Adriano Motta, Carla Kinzo, Felipe Mello, Guta Fernandes, Jonaya de Castro, Daniela Caielli, Carolina Fabri, Pedro Lopes, Marina Vieira, Léo Stefanini, Rodrigo Spina e Sheila Mello.

Direção: Marcelo Lazzaratto / Assistente de direção: Gisele Valeri

Dramaturgia: Pedro Lopes, Felipe Mello e Os Tubos de Ensaio

Cenografia: Ulisses Cohn

Figurino: Atílio Beline Vaz

Iluminação: Marcelo Lazzaratto

Trilha sonora: Rodrigo Spina

Preparação corporal: Ana Thomas

Preparação vocal: Nydia Licia

Anúncios

Written by Lucas Pretti

maio 12, 2008 às 2:07

2 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Caro Lucas!

    Todos do elenco ficamos muito felizes que tenha gostado da peça e queríamos agradecer-te pela linda publicação neste espaço!

    Um grande abraço!

    Pedro Lopes.

    Pedro Lopes

    maio 30, 2008 at 13:01

  2. Imagina, Pedro. Obrigado vocês por terem despertado emoções tão legais.

    Abraço!

    Lucas Pretti

    maio 30, 2008 at 15:53


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: