Cubo Mágico

aqui tinha artes, teatro, cultura digital e crônicas contemporâneas

Estrangeiressência

leave a comment »

A escritora independente Daniela Abade, que citei neste post, me procurou para falar de seu novo projeto, o Foreigners/Estrangeiros. A idéia é produzir textos de ficção sobre a condição de se sentir estranho a um lugar. Obra conjunta com outros seis escritores de diversas nacionalidades pelo mundo. Eles fazem contato pela internet, escrevem um livro “ao vivo” diante dos leitores e arriscam um novo formato de produção bem adequado aos tempos 2.0. Trocamos e-mails e ela explicou a aura do Foreigners. Veja:

foreigners.jpg

“Eu acho que o mais interessante do Estrangeiros é mostrar que um escritor não precisa de muita coisa para escrever, nem de papel. Só é preciso de talento e vontade. E também é bem importante essa comunicação que está aocntecendo entre 7 escritores – que muito provavelmente nunca se conheceriam ou trabalhariam juntos se dependesse da disposição de editoras. Acho que os escritores ficam muito dependentes de validar projetos, mesmo quando na Internet, por editoras ou por outros meios. Isso acaba nos eximindo um pouco da responsabilidade, dá uma desculpa para não escrever ou não expor o nosso trabalho. Escritor tem que escrever. Não tem que esperar lei de incentivo, contrato com editora, tapinha nas costas ou afago. Se tem uma idéia, faça acontecer. As editoras que corram atrás depois.

Com a Internet do jeito que está acho que está tudo fica mais fácil. Não tem mais desculpa. Já passou da hora de dar a cara a tapa. Com o perdão da citação vale até usar aquela frase ridícula do Faustão: “Quem sabe faz ao vivo.”. É muito legal ver que sete caras do outro lado do mundo toparam se expor desse jeito também. De criar um livro com testemunhas.”

Daniela Abade, escritora (assista a ela aqui)

Falando sobre o ser estrangeiro, parece tendência das artes latinoamericanas buscar uma respostas para a angústia existencial do não fazer parte. Neste sábado, estréia em São Paulo a peça Topografia de um Desnudo, do dramaturgo chileno Jorge Díaz, com direção do peruano Hugo Villavicenzio (grupo Conexión Latina). O espetáculo discute exatamente as experiências de latinos vivendo longe de casa, em lugares que não os pertence – e a que eles também não fazem parte.

topografia.jpg

A cena latina, com mil faces, tenta se descobrir.

[Posts relacionados: Livro antes / Banda antes]

Anúncios

Written by Lucas Pretti

fevereiro 16, 2008 às 14:40

Publicado em Arte, Internet, Livros, Teatro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: